Estou pronto para publicar meu livro?

Infelizmente, não há uma fórmula exata para saber quando está na hora de finalmente dar um passo adiante e mostrar a sua obra para o mundo. Existem dois fatores principais que devem ser levados em conta. Mas, o mais importante deles é:

Você se considera pronto?

domnio-pblico-de-livros-e-o-registro-de-isbn

Quando eu comecei a escrever, e isso já faz um bom tempo, meu primeiro livro completo foi o “Vampiros e Lobisomens”.

Clichê? Absolutamente, não. Eu viajei muito naquela história, e quem sabe um dia ela não aparece por aí, reescrita? Sempre considerei uma possibilidade.

Escrever V&L foi uma das maiores conquistas da minha vida. Claro, eu tinha dez, onze anos, e havia terminado meu primeiro livro. Naquela época, eu já havia decidido me tornar um escritor, e aquela sensação era maravilhosa, pois eu sabia que estava muito mais próximo de realizar meu sonho. E então, eu tomei uma decisão.

Com onze anos, eu decidi que estava pronto para publicar meu livro. Obviamente, eu não estava. Porém, sempre que eu contava para alguém sobre meu trabalho, as pessoas se impressionavam e diziam coisas como:

“Uau, você tem só doze anos e já escreveu um livro? Parabéns!”

Eu nem pensei duas vezes. Se todas aquelas pessoas achavam tão incrível eu ter terminado um livro, por que esperar? Um dia, passou pela minha cabeça: “Caio, acorda, ninguém leu o seu livro. Eles só acham legal a ideia de você ter terminado um”. Então, eu imprimi todas as 60 páginas de Vampiros e Lobisomens, e dei na mão de minha mãe. Pois é, eu gastei muita tinta naquele dia.

A dona Rita de Cássia, também conhecida como minha mãe, havia acabado de deixar o cargo de professora para ser babá de um garotinho. Professores já são acostumados a ganhar mal, mas minha mãe sequer recebia, então ela desistiu dessa vida sofredora. Porém, como era professora, eu deduzi que seria uma pessoa legal para ler o meu livro e dar um feedback.

Claro, nesse momento, eu deixei de lado o fator: Ela é minha mãe.

E, honestamente, nem sei se ela chegou a ler alguma coisa daquele livro, mas quando perguntei, as palavras de minha mãe foram, aproximadamente:

“Foi você mesmo que escreveu isso? Tá muito bom!”

Eu, como um jovem sonhador de onze anos, fiquei extremamente feliz com aquela resenha de minha mãe. Peguei meu material, e decidi, dessa vez sem pestanejar: Vou publicar meu livro.

Mandei emails, cartas, scraps no Orkut, qualquer pessoa que eu encontrasse remotamente ligada com literatura e editoras, recebia alguma coisa dizendo:

“Oi, eu sou o Caio, tenho onze anos e escrevi um livro. Como faço para publicar?”

E sim, a maioria dos emails, cartas e scraps eram exatamente assim.

Porém, o tempo passou e, como vocês devem imaginar, absolutamente ninguém respondeu. E chegamos, então, no segundo fator que deve ser levado em conta:

 

Você sabe lidar com rejeição?

Eu não sabia, até aquele momento.

Claro, todo mundo é rejeitado na vida. Às vezes você está interessado em alguém que não corresponde, ou fracassa em um vestibular, não consegue o emprego que você queria. Mas, na maioria desses casos, você não é um garoto de onze anos que acabou de perceber que ninguém liga para os seus sonhos.

E é verdade. A única pessoa que liga para os seus sonhos, é você. Não se engane.

Eu fiquei bem decepcionado. Desisti da escrita por um tempo. Porém, com doze anos, muito mais sábio e experiente, eu li um artigo na internet. O título era parecido com:

“O que você está fazendo para realizar seu sonho?”

E, depois de ler o artigo, eu percebi que a minha resposta era nada. Eu escrevi um livro, mostrei para uma pessoa, mandei um monte de cartas e mensagens, e depois eu desisti. Cansei, larguei o osso, joguei a toalha, ou como diziam os meus amigos na época, amarelei.

Ser rejeitado dói. Pra caramba. Principalmente quando se é uma criança. Obviamente, eu guardei uma mágoa terrível das pessoas que eu havia mandado meu livro. Mas, naquele momento eu percebi que se eu continuasse sentado, sem escrever, ou me esforçar para ser lido, eu jamais seria um escritor.

Então, eu aprendi a lidar com a rejeição. E, nesse caso, há sim um segredo:

Quando te rejeitam, você tenta de novo.

E de novo.

E de novo.

Esse é o segredo para lidar com a rejeição: ser rejeitado.

Eu aprendi isso com doze anos, e nunca esqueci. Sabe quando dizem que você aprende mais no erro do que no acerto?

É verdade.

 

E é isso.

Você escreveu o livro? Ótimo, o primeiro passo está dado.

Revisou? Beleza, mais um passo.

Sempre dizem que escrever um livro é como correr uma maratona. Eu discordo.

Eu prefiro ver o processo como uma corrida de Fórmula 1.

O prêmio de Interlagos tem 71 voltas, por exemplo. Escrever o livro é dar a primeira volta. Agora só faltam 70. Demora, é pesado, e você precisa ter uma coisa que todo mundo acha que tem, mas quase ninguém realmente possui:

Perseverança.

 

E aí, você tá pronto para Publicar seu Livro?

Caio Vinícius, autor e professor.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s